Dia D+

A Fundação Memorial da América Latina homenageou um de seus frequentadores mais assíduo, que se tornou amigo de vários funcionários da casa: o ex-trapezista Dover Tangará (67 anos), personagem principal do romance “O Filósofo Voador”, escrito por Eduardo Rascov, ganhador do ProAc de literatura de 2009, e editado pela Terceira Margem. Também foram homenageados Marília de Dirceu (79 anos), uma das primeiras mulheres a fazer globo da morte no Brasil, e Iracema Cavalcanti, integrante da velha-guarda do Circo-Teatro Guaraciaba, que está lançando o livro “A Vida Maravilhosa nos Circos-Teatros”.

O evento se deu em 19 de março de 2012, dentro da lona do Circo-Teatro Paratodos. O Palhaço Gelatina foi o mestre de cerimônias. A noite começou com a projeção do filme de ficção de curta metragem (10 minutos) “Disk Homem do Saco”. A obra nasceu da amizade de Dover Tangará com o estagiário do Pavilhão da Criatividade, Lucas Soares Gonçalves, estudante de Cinema na Universidade Anhembi Morumbi. Ele e sua equipe tinham que fazer um filme para uma série chamada “Lendas Urbanas”. Então resolveram chamar Tangará para ser o protagonista. Este, ator de circo-teatro desde que nasceu, tirou de letra.

Em seguida, foi projetado o documentário de 50 minutos “Entre a Lona e o Meio-Fio: o Voo que não Acabou”, produzido por um grupo de alunos de Jornalismo da Escola de Comunicação e Artes (ECA-USP), a saber, Leonardo Martin, Felipe Maeda, Ricardo Régener, Stefano Azevedo e Crenilda Abreu, sob a orientação do professor Renato Levi. A história desse filme começou quando Leonardo e Felipe procuraram o Centro de Memória do Circo, no começo de 2010, em busca de alguma sugestão de pauta para uma reportagem de rádio do curso de Jornalismo. A diretora do Centro de Memória, Verônica Tamaoki, então, contou sobre um grande trapezista, o maior do seu tempo (anos 60 e 70), que enfrentava agora o desafio de sobreviver como homem de rua em São Paulo. Mencionou que havia um livro sobre ele. Os desdobramentos levaram esse grupo a decidir fazer seu TCC (trabalho de conclusão de curso) contando essa história.

Após a exibição dos filmes, houve uma série de apresentações de velhos artistas circenses, todos amigos de Dover Tangará, Marília de Dirceu e Iracema Cavalcanti. Eles fizeram questão de homenageá-los com sua arte. Foram eles o malabarista “cubano” Ivan, de 72 anos, com seu incrível figurino, que inclui os novos cílios postiços recém comprados; o equilibrista, mágico e domador argentino Puchy e sua patner Loren, também argentina; o singelo (e engraçadíssimo) casal de palhaços Pepin e Florzita, ele mexicano criado na Colômbia e ela chilena; Camilo Torres, presidente da Abracirco, com o seu impagável número de “Carlito”; e a bela Tila, a Princesa das Mágicas. Com exceção de Camilo e Tila, todos os outros moram no Sem Terra, objeto da pesquisa que trata este blog.


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s